Procura por seguros de vida cresce entre os mais jovens na pandemia

Compartilhe:
Mais preocupados com a saúde e a estabilidade financeira, pessoas na faixa dos 20 aos 30 anos estão aderindo mais aos seguros de vida

A cada ano é maior o número de brasileiros que adquirem um seguro de vida, no entanto, após o advento da pandemia da Covid-19, a adesão de pessoas mais jovens a essa modalidade de seguro cresce de forma expressiva. Para as empresas do ramo, a pandemia fez com que as pessoas se preocupassem mais com a saúde e a estabilidade financeira, e, desta forma, o seguro de vida se tornou um investimento bastante atrativo devido aos benefícios que oferece.
 
Segundo Cláudio Roberto Bruno de Azevedo, fundador da Fácil Corretora de Seguros, os diversos tipos de coberturas que podem existir dentro do seguro de vida são o que mais tem atraído as pessoas. “Existe um mito de que seguro de vida é feito somente para a morte. Pelo contrário, há modalidades amplas, com coberturas para serem usufruídas em vida”, sinaliza. São coberturas que envolvem, por exemplo, situações como invalidez por acidente, que é aquela que não se pode esperar recuperação e que impede o segurado de exercer sua atividade de trabalho principal.
 
Muito importante também é a cobertura DIT (Diária por Incapacidade Temporária), em que o segurado recebe um valor diário por afastamento em caso de acidente ou doença. Outra cobertura que tem atraído segurados é a antecipação por doenças graves, e ainda há uma modalidade em que, caso não aconteça nenhuma fatalidade com o segurado, ele pode reembolsar grande parte do que pagou durante os anos, que é o seguro de vida resgatável.  “Por isso, acredito que as pessoas mais novas, mais preocupadas com a qualidade de vida delas e dos outros com quem convivem depois da pandemia, estão aderindo ao seguro de vida”, acrescenta.

Nova realidade

Na Fácil Corretora de Seguros, os números dos últimos anos comprovam essa tendência nacional. As adesões ao seguro de vida entre pessoas na faixa dos 20 aos 30 anos cresceram 11,5% em 2021 em comparação ao ano anterior, e somente no primeiro semestre de 2022 o crescimento é de 17,8%. “O seguro de vida é, sem dúvida, a modalidade de seguro que mais cresceu nesse período marcado pela pandemia, e a tendência é de que esse crescimento seja contínuo, com a presença cada vez maior do público jovem”, destaca Azevedo.
 
O diretor da Fácil Corretora de Seguros também cita outros fatores que, de alguma forma, influenciam nessa tendência de crescimento, entre eles a elevada taxa de desemprego, a inflação, o aumento dos preços e a insegurança econômica. “O seguro de vida é ideal para o período em que a pessoa é ativamente econômica. Depois de alcançar a estabilidade financeira, por exemplo, aos 65 anos, a pessoa não terá mais necessidade de um seguro de vida. Ele é importante neste período de busca pela estabilidade financeira, o que derruba mais uma vez esse tabu de que seguro de vida é para o momento da morte”, explica Azevedo.
 
Para atender essa nova demanda de público, que envolve uma faixa etária mais conectada e avessa à burocracia, seguradoras investem em tecnologia e na simplificação de processos. Na Fácil Corretora de Seguros, por exemplo, a consultoria de atendimento e a parceria com as melhores companhias do segmento de seguridade permitem a formatação de propostas personalizadas, que atendem às necessidades e ao perfil de cada cliente.

5 razões para aderir a um seguro de vida

1) O seguro de vida é uma garantia para eventualidades que podem ocorrer durante o período em que a pessoa está buscando sua estabilidade financeira, pois envolvem coberturas para situações como invalidez por acidente, em que não é mais possível exercer sua atividade principal

2) O seguro de vida também é uma garantia para eventualidades que podem ocorrer em um cenário social marcado por altas taxas de desemprego e altos índices de inflação

3) Cuidar da saúde é algo que se tornou prioridade para as pessoas depois da pandemia, e isso não envolve apenas hábitos de vida mais saudáveis, mas também no investimento em um seguro de vida, que pode auxiliar no caso de alguma eventualidade ligada ao seu bem-estar físico ou mental

4) Um seguro de vida é um investimento feito para a vida e não para a morte, pois envolvem uma série de coberturas que podem ser usufruída pelo segurado ou segurada ao longo de sua vida

5) O seguro de vida é pago ao beneficiário que o segurado indicar, sendo livre de impostos e não entrando em inventário. Ou seja, é líquido e certo na conta do beneficiário, ajudando significadamente a família

Serviço:


Fácil Corretora de Seguros
Site: https://facilseg.com.br/
Compartilhe:

Post Author: Sonia